BRASIL, Centro-Oeste, SENADOR CANEDO, Homem, Arte e cultura, Música, Política
MSN - leandroblamires@hotmail.com

 

    UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  Vulgo Jamelão
  Esmola Cultural
  Blog do Nirso
  Rubens Paulo Rodrigues
  Diego de Moraes
  Carmelita Gomes
  Bicicletistas Selvagens
  Ponto Eclético
  Raiz da MPB


 

 
 

   

   


 
 
BLOG DO BOGÃO



CARLINHOS CACHOEIRA, OPERAÇÃO MONTE CARLO...

 

... E MAIS DO MESMO

 

Tem sido amplamente divulgado pela imprensa de todo país o escândalo relacionado ao bicheiro Carlos Cachoeira e a Operação Monte Carlo bem como sua influência por todas as esferas dos setores público e privado.

Acho que a grande questão, antes de mais nada, é saber se ainda existe alguém no Brasil que se mostra chocado com tudo o que tem acontecido. Se ainda há esse ser humano absolutamente sensível recomendo parar a leitura por aqui, já que, o que tenho a dizer é o mais do mesmo.

1. Carlos Cachoeira nada mais é que o homem mais poderoso e influente do estado de Goiás, quiçá dos maiores do Brasil;

2. Os tentáculos de sua organização contraventiva estão em todas as esferas do poder, Coronel chama o mafioso de chefe e mafioso chama o coronel de japonês (quem é a autoridade ai?);

3. Digo contraventiva, porque sua atividade principal (Jogo do Bicho e jogos de azar) não são considerados crimes no Brasil, na verdade, e nos fim das contas, é uma forma de deixar a coisa correr frouxa;

4. O problema é que essa brecha dada pela lei e a ausência total de controle e conivência das forças de segurança, elevam toda a estrutura criada por Carlos Cachoeira numa espécie de máfia tupiniquim com todos os requisitos de uma Camorra, Cosanostra e por ai vai. Com direito a Dom Corleone, Capone e Cachoeirone.

5. A rede estava tão bem montada que o bicheiro atuava em todos os partidos políticos e políticos goianos, indo dos “ilibados” Elias Vaz e Rubens Otoni até os mais sujos como Carlos Alberto Leréia e Jovair Arantes;

6. Baseado no item anterior, não considero o senador Demóstenes como político, mas sim, como uma espécie de serviçal, de um Grão Vizir de Carlos Cachoeira. Ficou muito feio pra ele negar tudo o que aconteceu ao ponto de dizer que não conhecia o contraventor e que não se relacionava com esse tipo de pessoa. E vou mais longe, quem pensa que Demóstenes está morto politicamente está quadradamente enganado. A memória do brasileiro é mais curta que coice de porco, logo, logo estão todos elegendo o salafrário novamente. Não reelegeram o Collor, o Renan Calheiros, José Sarney e Jader Barbalho? Onde o Demóstenes é diferente dessa corja? E será que nós não somos tão ou mais usurpadores e corrompíveis que eles? Afinal, eles não são nossos representantes? Ou estou errado?

7. A empresa Delta, tão execrada, não faz nada que outras empresas que atuam na esfera pública não façam. Essa história de superfaturar é tão comum no Brasil que os empresários e empreiteiros já adicionam no valor final de suas obras, serviços e mercadorias a parte que compete aos políticos (nossos representantes), sendo que independentemente do valor sempre é em dinheiro vivo (ou vocês não viram a matéria do Fantástico onde aquela gordinha disse que pagava até em Yene). Existem histórias onde essas quantias são tão grandiosas que são necessários vários veículos para fazer o transporte das cédulas. E nós ficamos calados não por medo ou coisa do gênero, mas sim porque estamos esperando a nossa vez, consideramos como algo parecido com a loteria, “um dia ganho essa chance”;

8. E o Marconi (pensaram que eu esqueci dele né?). Então o Marconi até agora não foi flagrado nas escutas, mas é o tal negócio, você não foi flagrado e todos sabem que você é o principal, “o maior” nas palavras da grande queda de água. Ninguém é idiota o suficiente para não acreditar que o cara não está envolvido nesse lamaçal. A questão é que o governador habilitou seu Nextel na pessoa da sua chefe de gabinete, ou seja, a pessoa mais próxima dele no governo. Daí, as conversas eram todas repassadas por ela evitando que a voz dele fosse “arapongada”.

No fim, acho que não disse nem meio por cento do que está posto. Todavia, nunca é demais lembrar que nas próximas eleições estarão todos ai novamente, afinal, bandido que julga bandido sempre acha uma forma de trazer o melhor para seu lado e nós como bons imbecis que somos votaremos neles novamente por um prato de galinhada com vinagrete. “E assim caminha a humanidade, com passos de formiga e sem vontade”. É isso.

P.S.: Hoje é dia do livro. E você, já leu algum livro completamente na sua vidinha ridícula? Em caso de negativa ou ter ficado nervosinho saiba que hoje é o dia do livro, essa janela para o conhecimento e para o infinito.

 

Leandro Blamires, uma peça descartável.Brincalhão 

 

 



Escrito por Leandro Blamires às 15h13
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




GUERRA DAS MALVINAS

SOBERANIA E TERRITÓRIO

 

O território consiste em área jurídico-política pertencente a uma determinada nação construída ao longo do processo histórico. A soberania de um país considera que todas as decisões tomadas dentro dessa área jurídico-política são de domínio da nação soberana, obviamente, respeitando as regras internacionais principalmente aquelas emanadas pela Organização das Nações Unidas.

A cerca disso, hoje comemora-se a data fatídica do início do conflito armado entre Argentina e Reino Unido pela posse do território conhecido como Ilhas Malvinas. A guerra ficou conhecida como Guerra das Malvinas. O arquipélago foi tomado pela Inglaterra em 1833 e desde então a Argentina reivindica a posse das ilhas, conhecida pelos ingleses como Ilhas Falklands. Na época as ilhas tinham importância ligada a pesca, principalmente de baleias, hoje atua como área estratégica para governo britânico além de recentes prospecções terem levantado indícios de petróleo.

A guerra iniciou em 02 de abril de 1982 terminando em 14 de junho do mesmo ano com a vitória do Reino Unido. O saldo total de mortos é de 907, desses apenas 3 são civis. Hoje, sempre que um presidente argentino deseja aumentar seu grau de popularidade ou está em campanha política ou até mesmo desviar a atenção do povo argentino de algum assunto de maior importância usam o pretexto de retomada das Ilhas Malvinas. É isso.

 

Leandro Blamires, uma peça descartável.Em dúvida

 



Escrito por Leandro Blamires às 08h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]